A BSD Consulting realizou o processo de verificação independente do processo de elaboração do Relatório de Sustentabilidade de 2013 da Klabin, desenvolvido de acordo com as diretrizes da GRI G3.1 (Global Reporting Initiative). O processo de verificação aconteceu pelo quarto ano consecutivo e tem o objetivo de proporcionar às partes interessadas da Klabin uma opinião independente sobre: a qualidade do relatório; os processos de engajamento com stakeholders; a aderência aos princípios da AA1000AS 2008; e a gestão de sustentabilidade da companhia.

Independência

Trabalhamos de forma independente e asseguramos que nenhum integrante da BSD mantém contratos de consultoria ou outros vínculos comerciais com a Klabin. A BSD Consulting é licenciada pela AccountAbility como provedor de garantia (AA1000 Licensed Assurance Provider), sob o registro 000-33.

Nossa Competência

A BSD Consulting é uma empresa especializada em sustentabilidade. Os trabalhos foram conduzidos por uma equipe de profissionais experientes e capacitados em processos de verificação externa.

Responsabilidades da Klabin e da BSD

A elaboração do Relatório de Sustentabilidade, bem como a definição de seu conteúdo é de responsabilidade da Klabin. A avaliação do relatório e a conferência do nível de aplicação das diretrizes GRI G3.1 foram objeto de trabalho da BSD. A verificação de dados financeiros não foi objeto dos trabalhos da BSD Consulting.

Escopo e Limitações

O escopo de nossos trabalhos inclui as informações da versão completa do Relatório de Sustentabilidade 2013 da Klabin, no período coberto pelo relatório de 01 de janeiro de 2013 a 31 de dezembro de 2013.

O processo de verificação independente foi conduzido de acordo com o padrão AA1000AS 2008 (AA1000 Assurance Standard 2008), na condição de verificação do Tipo 1, proporcionando um nível moderado de assurance. Os objetivos da Declaração de Garantia são de informar às partes interessadas as conclusões da BSD sobre o processo que abrange a avaliação da aderência do processo de prestação de contas da Klabin aos três princípios: Inclusão, Materialidade e Capacidade de Resposta. A verificação de dados financeiros não foi objeto dos trabalhos da BSD Consulting.

Metodologia

A abordagem de verificação do processo AA1000AS consistiu em:

  • Avaliação do conteúdo do Relatório de Sustentabilidade 2013;
  • Entendimento do fluxo dos processos de obtenção e geração das informações para o Relatório de Sustentabilidade;
  • Pesquisa de informações públicas sobre o setor e a companhia (imprensa, sites e bases legais);
  • Entrevistas com gestores de áreas-chave em relação à relevância das informações para o relato e gestão da sustentabilidade;
  • Quando relevante, confirmação de informações sobre o desempenho de sustentabilidade com o entendimento do corpo diretivo da empresa;
  • Análise da relevância das informações do Relatório de Sustentabilidade do ponto de vista de públicos externos;
  • Com base em testes amostrais, confirmação de informações do Relatório de Sustentabilidade com documentação-suporte, relatórios gerenciais internos e correspondências oficiais;
  • As atividades deste processo de assurance foram realizadas nos escritórios corporativos em São Paulo – SP, e na unidade da Klabin Embalagens em Goiana – PE.

Principais Conclusões sobre a Aderência aos Princípios AA1000AS (2008)

Inclusão – aborda a participação de stakeholders no desenvolvimento de um processo de gestão de sustentabilidade transparente e estratégico.

  • O processo de consulta aos públicos de relacionamento da Klabin foi realizado no final de 2011 e início de 2012. É importante que a empresa realize um processo de revisão de stakeholders relevantes, utilizando-se de critérios claros para sua priorização, com foco na consulta e na forma de serem abordados no relatório.
  • Existem iniciativas dispersas de diálogo e mapeamento de demandas de stakeholders. O relacionamento com os parceiros fomentados, na área florestal, e o mapeamento de demandas de stakeholders do Projeto Puma são iniciativas relevantes conduzidas pela Klabin. É importante que as iniciativas de diálogo com stakeholders estejam integradas na empresa para contribuírem com a estratégia de atuação, o planejamento da gestão de sustentabilidade e a definição de temas materiais para o relatório de sustentabilidade.
  • Existem canais abertos nas unidades para o público externo manifestar suas demandas e reclamações. Recomenda-se estabelecer um processo estruturado de promoção de diálogo com stakeholders externos.
  • Há oportunidade de melhoria no alinhamento dos processos de gestão entre as áreas corporativas e as unidades locais. É importante que os programas e iniciativas da empresa sejam disseminados e monitorados em todas as operações.

Materialidade (ou Relevância) – assuntos necessários para que os stakeholders tomem conclusões sobre o desempenho econômico, social e ambiental da organização.

  • O resultado do processo de definição da materialidade realizado em 2011 foi utilizado novamente para o relatório de sustentabilidade de 2013. É importante que o processo de revisão de temas materiais ocorra de forma contínua, considerando alterações na estrutura operacional da empresa, bem como as mudanças que afetam o contexto de sustentabilidade da empresa e do setor.
  • Como no processo de relato do ano anterior, os temas relevantes, resultantes do processo de materialidade, são genéricos, como conformidade, direitos humanos, biodiversidade, saúde e segurança, qualidade, controle ambiental e relacionamento com clientes. Recomenda-se que temas específicos para o setor sejam avaliados no processo, assim como o tratamento de temas regionais, de acordo com o contexto de cada unidade e atividade da organização (florestal, celulose e papel, embalagem, papel cartão).
  • Temas materiais identificados no contexto de sustentabilidade, como impactos do transporte, atendimento a demandas socioambientais do Projeto Puma e a consolidação de uma nova Visão de Sustentabilidade da empresa são abordados de forma inicial no relatório de sustentabilidade. É importante que esses temas sejam apresentados com maior profundidade devido à sua relevância para a Klabin.
  • O relatório pode abordar com mais profundidade temas considerados de alta materialidade como: direitos humanos, comportamento ético e critérios socioambientais na seleção de fornecedores.

Capacidade de Resposta – aborda as ações tomadas pela organização em decorrência de demandas específicas de stakeholders.

  • Houve um processo de construção da Visão de Sustentabilidade, com a realização de consultas internas com diferentes áreas da empresa, incluindo a alta administração. Os resultados da consulta interna foram utilizados para este processo, considerando ações e programas de sustentabilidade já existentes na empresa. É importante realizar a disseminação do conteúdo da Visão de Sustentabilidade para as áreas corporativas e unidades de negócio da empresa.
  • Foi concluída a elaboração da Matriz de Criticidade de Fornecedores, que está em fase de implementação. O objetivo da ferramenta é proporcionar uma análise técnica e de conformidade legal relacionada a aspectos socioambientais de fornecedores. É importante que a matriz seja disseminada e comunicada a todas as unidades de forma efetiva, e que seja considerado um processo de revisão dos aspectos de sustentabilidade utilizados na análise.
  • O processo de monitoramento de dados e indicadores de sustentabilidade é realizado de forma contínua na empresa, mas há oportunidades de melhoria na consolidação de informações para o relatório. É importante que o processo de relato inclua uma etapa de análise crítica das informações a serem relatadas, contribuindo para melhorias na qualidade das informações, contextualização dos dados apresentados e evitando a omissão de informações relevantes para o desempenho de sustentabilidade da empresa.
  • A Klabin possui participação relevante em discussões do setor, via fóruns e instâncias específicas, como a Indústria Brasileira de Árvores – IBÁ (antiga BRACELPA), Forest Dialogue e FSC Brasil. É importante que a representação da empresa nesses fóruns tenha maior destaque no relatório de sustentabilidade.
  • A questão de saúde e segurança é uma diretriz corporativa, e contempla o monitoramento contínuo de indicadores para colaboradores próprios e terceirizados. É importante que a empresa amplie o relato da gestão deste tema com base nos programas existentes e fortaleça junto às suas unidades a cultura de saúde e segurança.
  • As metas e objetivos de sustentabilidade da Klabin estão alinhados com a estratégia de negócios, com maior foco em ecoeficiência. Recomenda-se que desafios futuros, como a Política Nacional de Resíduos Sólidos e a gestão da cadeia de fornecedores sejam incorporados à gestão estratégica de sustentabilidade, por meio do estabelecimento de metas e objetivos específicos.

Nível de Aplicação GRI G3.1

Seguindo as orientações das diretrizes GRI G3.1, a BSD declara que o relatório de sustentabilidade de 2013 da Klabin S.A. é classificado como Nível de Aplicação B+. O relatório aborda os itens relacionados ao perfil da empresa e informações relacionadas a todas as categorias, aspectos e indicadores: econômico, ambiental, direitos humanos, práticas trabalhistas, sociedade e responsabilidade pelo produto.

Considerações Finais

De acordo com a avaliação da BSD Consulting, em 2013, a gestão da sustentabilidade da Klabin demonstrou evolução com a construção de sua Visão de Sustentabilidade. No entanto, é necessário aprimorar o processo de priorização de stakeholders e definição de temas materiais, para orientar a gestão estratégica de sustentabilidade, considerando o contexto em que a empresa está inserida.

São Paulo, 10 de Junho de 2014.

BSD Consulting – Brasil